Pular para o conteúdo principal

A importância do planejamento financeiro nas empresas para situações inesperadas e sua reserva financeira.

Apenas algumas empresas de segmentos específicos conseguirão escapar sem nenhuma consequência dos impactos financeiros causados pela pandemia do novo coronavírus, o Covid-19. Isso nos leva a uma pergunta: Sua empresa possui um planejamento financeiro adequado que contemple situações adversas ou reserva de recursos para situações inesperadas como essa?

 

Vamos pegar um exemplo que sempre vimos nesses anos de atuação da Global.

 

Muitas empresas deixam para buscar recursos no mercado financeiro apenas em última necessidade. Usam recursos do caixa para comprar máquinas a vista ou realizar algum projeto de construção, ao invés de buscar no mercado financeiro condições viáveis para realizarem tais projetos.

 

Essas empresas poderiam aplicar esse valor que está disponível, criar uma reserva de caixa para despesas com pessoal, gastos que podem surgir sem previsão ou para fortalecer o capital de giro caso aconteça algo também inesperado.

 

Sabemos que tem empresas que já atuam com uma baixíssima margem, que não consegue juntar recursos, criar reservas, para isso é necessário se reorganizar, ver como está o planejamento, o que mudou e tentar se reinventar.

 

Tem empresários que dizem “não pego dinheiro em banco”, “não pago juros”, porém, quando chega numa situação extrema que tem que recorrer a alguma linha de crédito, pode ser tarde e terá que conviver com taxas mais elevadas, exigências absurdas ou até mesmo pegar dinheiro em factoring, cujo juros é elevado e consumirá boa parte do que poderia ser a lucratividade da empresa.

 

É preciso que a pessoa de finanças analise o quanto pagará de juros, quanto de retorno tal projeto trará, e em quanto tempo. É necessário saber a taxa interna de retorno desse investimento, para poder tomar as melhores decisões. Parece básico, mas muitas empresas deixam de fazer, simplesmente pelo fato do empresário dizer que “não quer pagar juros pra banco”.

 

A questão não é tão simples assim, é a saúde financeira da empresa.

 

Pegamos apenas esse exemplo para ilustrar que as empresas precisam sempre analisar/rever/reorganizar o planejamento financeiro, a programação e forma de realização de seus investimentos, criar situações que permitam ter reservas para eventualidades, ter uma mente menos engessada sobre a utilização dos recursos que o mercado financeiro coloca à disposição e sobretudo saber analisar o retorno que seus investimentos trarão sobre o quanto pagará por mês caso busque recursos de uma instituição financeira.

 

As melhores opções de crédito surgem justamente quando a empresa não precisa, quando está capitalizada, quando os negócios estão na melhor fase e essa é a hora que a empresa deve estar aberta as opções de crédito/investimentos no mercado e se for o caso, contar com especialistas externos para que tenha acesso a tais alternativas.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Planejamento, digitalização e atendimento: o futuro da Indústria em 2021

De acordo com uma pesquisa realizada pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), organização profissional técnica dedicada ao avanço da tecnologia, 19% dos respondentes acreditam que a Manufatura será um dos segmentos mais impactados pela tecnologia em 2021. O estudo também mostrou que 55% dos entrevistados aceleraram a adoção da computação em nuvem durante a pandemia, 52% adotaram o 5G e 51% tiveram projetos de  Inteligência Artificial   e Machine Learning acelerados. Ainda que a indústria seja um setor muito conservador, esses dados comprovam o impacto da pandemia na digitalização do setor. O ano de 2020 foi um marco e trouxe grandes aprendizados para a indústria como um todo, pois o setor passa a enxergar que o caminho para a  Indústria 4.0  começa com a transformação digital, e que pranchetas e planilhas não combinam mais com a fábrica do futuro. E muitos desses aprendizados se devem ao home office. Com grande parte do time trabalhando à distância, os gestores

Apoio do BNDES a empresas alcança R$ 154 bilhões em 2020

    O apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às empresas brasileiras no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus alcançou R$ 154 bilhões no ano passado. Os recursos beneficiaram cerca de 390 mil empresas, que respondem pela geração de mais de 9,5 milhões de empregos. A informação foi divulgada hoje (5) pela instituição. As primeiras medidas foram tomadas em março de 2020. Na liberação dos valores, o BNDES deu prioridade a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) e micro empreendedores individuais (MEIs), que correspondem a 99,6% do total de beneficiários apoiados. Segundo a instituição, o principal destaque foi o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) que, desde seu lançamento, no dia 30 de junho, garantiu R$ 92,1 bilhões a 114,5 mil empresas, dos quais R$ 82,3 bilhões destinados às pequenas e médias. Ao todo, 47 agentes financeiros estão habilitados a contratar empréstimos com a garantia do Tesouro Nacional por meio do Fundo Garantidor d

Indústria brasileira defende transição gradual para a economia circular

A indústria brasileira defende uma transição gradual para a economia circular, modelo que associa desenvolvimento econômico ao melhor uso de recursos naturais. Esse foi o ponto central das propostas que a  Confederação Nacional da Indústria (CNI)  levou para as discussões na semana passada do comitê da norma de economia circular da Organização Internacional de Normalização ( ISO , na sigla em inglês), formado por 70 países. A previsão é que a norma técnica entre em vigor a partir de 2023. A indústria brasileira quer que práticas como recuperação energética de resíduos e eliminação de desperdícios nos processos produtivos sejam considerados na norma internacional para o processo de transição para a economia circular. “Temos de considerar os diferentes estágios de maturidade de países nos critérios estabelecidos na norma internacional de economia circular”, afirma o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo. De acordo com o presidente da Associaç