Pular para o conteúdo principal

Desempenho do sistema de consórcios em 2019

O Sistema de Consórcios encerrou 2019 com aumento de 16,4% no Patrimônio Líquido Ajustado (PLA) e de 12,9% nos ativos administrados. Esse é o resultado da comparação com o ano anterior, de acordo com dados do Banco Central do Brasil.

 

O PLA é a soma do capital e das reservas das administradoras de consórcios. Já os Ativos Administrados são a somatória dos recebíveis, das disponibilidades e das aplicações financeiras dos grupos em andamento.

 

O PLA passou de R$ 13,93 bilhões, em dezembro de 2018, para R$ 16,22 bilhões, em dezembro de 2019. Enquanto os ativos administrados passaram de R$ 224,00 bilhões para R$ 253,00 bilhões, no mesmo período.

 

Além disso, o bom desempenho das administradoras de consórcios gerou a arrecadação de mais tributos e contribuições sociais. Em 2018, foram arrecadados R$ 2,95 bilhões em impostos, enquanto em 2019 eles somaram R$ 3,15 bilhões. Isso representa expansão de 6,8%.


Em 2019, foram registradas 2,87 milhões de adesões, alta de 10,4% sobre o total registrado em 2018. O faturamento do setor chegou a R$ 134,17 bilhões, elevando em 26,5% os R$ 106,08 bilhões de 2018.

 

Os créditos disponibilizados pelas contemplações, para aquisição dos mais diversos produtos e serviços, foram de R$ 42,16 bilhões.

 

Esses resultados, mostram a solidez e segurança do setor, que vem crescendo amplamente nos últimos anos e se mostra uma excelente alternativa de crédito/investimento, sejam para as pessoas formarem seu patrímônio, adquirir diversos bens e serviços, ou até mesmo para as empresas realizarem os mais diversos projetos de expansão.

 

Fonte:  ABAC / BACEN.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agronegócio impulsionou a balança comercial brasileira em 2020

A balança comercial brasileira fechou o ano de 2020 com saldo positivo de US$ 50,9 bilhões, com destaque para o agronegócio, que bateu recorde com saldo final de US$ 87,7 bilhões. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quarta-feira (31), uma análise com os principais fatores que contribuíram para que o Brasil se mantivesse como um dos principais fornecedores de commodities agropecuárias no mercado mundial no ano passado, com destaque para a soja e as carnes (bovina, suína e de frango), além de tendências para 2021. A desvalorização do real frente ao dólar, a guerra comercial entre Estados Unidos e China, a quebra de safra de países concorrentes e condições climáticas favoráveis, contribuíram para o Brasil seguir na liderança do setor. A China responde por 33,7% das exportações totais do setor agropecuário brasileiro em 2020 e também é o maior consumidor mundial de soja. Ana Cecília Kreter, pesquisadora associada do Ipea e uma das autoras do estudo, afirma que

Faturamento da indústria cresce 8,7% em janeiro, diz CNI

A atividade industrial brasileira fechou janeiro de 2021 em um nível mais alto do que o registrado em janeiro de 2020, segundo os Indicadores Industriais divulgados hoje (4) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento destaca a alta de 8,7% no faturamento do setor, e a alta de 6,7% nas horas trabalhadas na produção. A capacidade instalada registrada em janeiro de 2021 ficou em 79% – número que é 2,2 pontos percentuais acima do que foi registrado no mesmo mês de 2020. De acordo com a CNI, “todos os índices de janeiro deste ano mostram alta na comparação com o mesmo mês de 2020”. O indicador emprego industrial teve um aumento de 0,1% tanto na comparação com janeiro de 2020 como dezembro de 2020. Já a massa salarial cresceu 0,5% em janeiro, na comparação com janeiro do ano passado, e de 5% na comparação com dezembro. O rendimento médio dos trabalhadores teve um aumento de 0,4% na comparação com janeiro de 2020, e de 5,6% frente a dezembro do mesmo ano. “A ativi

LGPD: governo e iniciativa privada defendem tratamento diferenciado para PME.

  Em meio ao desafio de o país regulamentar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o setor produtivo e o governo federal têm trabalhado juntos para garantir que as micro e pequenas empresas (MPEs) não percam competitividade com exigências desproporcionais. Em entrevista à  Agência CNI de Notícias , a subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato na Ministério da Economia, Antônia Tallarida Martins, reforça também a urgência de a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) criar regramento transitório que dispense as MPEs de certas obrigações estabelecidas na LGPD.     Para a subsecretária, as MPEs devem ser liberadas de indicarem um controlador de dados, da necessidade de elaboração de um relatório de impacto e da necessidade de registrar as operações de tratamento de dados. Estudo elaborado pela  Confederação Nacional da Indústria (CNI)  reforça que determinadas exigências, se aplicadas às MPEs, podem inviabilizar o negócio d