Pular para o conteúdo principal

Portaria 10.486/2020, da Secretaria Especial da Previdência e Trabalho

Portaria nº 10.486/2020 da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

 

É de conhecimento público que em 01 de abril de 2020 foi publicada a MP 936 que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, além de dispor sobre medidas trabalhistas complementares para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (covid-19), de que trata a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020.

 

Em resumo, a MP prevê a possibilidade de redução de jornada/salário e a suspensão do contrato de trabalho mediante recebimento do Benefício Emergencial que toma por base o salário do seguro desemprego, contudo, para aqueles que já recebem algum benefício de prestação continuada, como por exemplo os aposentados, não podem ser contemplados.

 

Pois bem, em 24 de abril de 2020, a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho publicou portaria editando normas relativas ao processamento e pagamento do Benefício Emergencial de que trata a Medida Provisória nº 936, onde vedou a celebração de acordo individual para redução proporcional de jornada de trabalho e de salário ou para suspensão temporária do contrato de trabalho com empregado que receba: (i) benefício de prestação continuada do Regime Geral de Previdência Social ou dos Regimes Próprios de Previdência Social, ressalvados os benefícios de pensão por morte e auxílio acidente; (ii) seguro-desemprego, em qualquer de suas modalidades; ou (iii) bolsa de qualificação profissional de que trata o art. 2º-A da Lei n° 7.998, de 1990.

 

Ocorre que a Portaria Ministerial, ao invés de regulamentar o ato do Poder Executivo gerou ainda mais controvérsias sobre a aplicação das regras da MP 936, e, por consequência, insegurança jurídica tanto aos empresários, quanto aos trabalhadores.

 

A vedação se mostra contrária ao atual momento, principalmente o momento vivido pelas empresas, que se socorreram da suspensão prevista na MP para afastar funcionários que são integrantes do grupo de risco, logo, aposentados em sua avassaladora maioria.

 

A despeito disso, o caos já está instaurado e uma série de empresas hoje não sabem como manter seus idosos aposentados fora do ambiente de trabalho.

 

Nesse passo, resta a preocupação da invalidação dos acordos já celebrados com os empregados que não podem exercer seu oficio em home office, justamente pelo tipo de atividade que exercem, sendo obrigados a retornar aos postos de trabalho, ou impor ao empregador conceder licença remunerada, onerando ainda mais um caixa já defasado, ou os levando a rescindir os contratos de trabalho dos aposentados, a fim de preserva-los, o que se mostra totalmente contrário ao proposto pela MP 936.

 

Seja qual for o cenário, além dos riscos ao trabalhador aposentado, o mais prejudicado será o empresário, que manteve empregos acreditando no Benefício Emergencial, promessa que foi desfeita pela própria Portaria Ministerial.

 

Ainda não se tem notícias de revisão da portaria, contudo, espera-se que seja logo reavaliada a fim de evitar mais prejuízos.

 

Mayara França.

Advogada especialista em direito do trabalho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Produção de veículos pesados deve crescer 23% em 2021, diz Anfavea

As fabricantes de caminhões e ônibus instaladas no Brasil deverão produzir 135 mil unidades de veículos pesados em 2021. Essa é a projeção da  Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea)   divulgada na sexta-feira (8). Esse volume é 23% maior do que as 109 mil unidades fabricadas em 2020. A maior parte da produção (cerca de 116 mil) será de caminhões. Vice-Presidente da Anfavea, Marcos Saltini disse ao   Estradão  que a produção de caminhões aumentar principalmente por causa do mercado interno. Segundo ele, graças à manutenção do crescimento de setores como o agronegócio, e-commerce e construção civil. Ou seja os mesmos que puxaram a demanda em 2020. “Esse perfil não mudou, mas o que vamos ver no começo do ano é como vão ficar as restrições de locomoção, no comércio e se haverá fechamento dos  Detrans . Isso tudo pode impactar nas vendas e, consequentemente a produção”, diz. No entanto, alguns desafios precisam ser vencidos para que essa previsão se consolide.

Benefício da energia solar para indústrias

Todos aqueles que investem em energia limpa colhem os frutos de seus benefícios, em especial o setor industrial, onde os resultados positivos são ainda maiores. A eficiência da energia solar nas indústrias é capaz de alavancar os resultados, estimular a produtividade e assegurar a sobrevivência da empresa num ambiente mais sustentável. Segue abaixo alguns benefícios da energia solar para seu negócio: 1. Sustentabilidade que eleva o patamar industrial O modelo industrial nos últimos anos deixou de visar apenas seu crescimento sem se importar com os impactos que sua atuação traz ao meio ambiente. O sistema de energia solar é uma das saídas mais viáveis para diminuir esses impactos negativos. Isso porque é um sistema que favorece a sustentabilidade em sua totalidade, o que promove e eleva a marca no mercado, podendo facilmente se tornar um diferencial competitivo  em relação aos concorrentes. Abaixo segue um exemplo do impacto no meio ambiente num sistema de energia solar para uma indústr

Todos os 30 setores da indústria estão confiantes, aponta CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) - Resultados setoriais registrou, em junho, o segundo mês consecutivo de confiança disseminada entre toda a indústria. O indicador subiu em 29 dos 30 setores analisados pela  Confederação Nacional da Indústria (CNI) .  “Essa consolidação de uma confiança mais alta, disseminada por toda a indústria, é importante, pois aponta para um segundo semestre positivo. Empresários confiantes tendem a produzir, contratar e investir mais”, explica o gerente de Análise Econômica, Marcelo Azevedo. A confiança caiu em apenas um deles: Outros equipamentos de transporte (-1,1 ponto). Mesmo assim, o índice ficou em 57,6 pontos, bem acima da linha divisória de 50 pontos. O ICEI varia de 0 a 100. Valores acima de 50 pontos indicam confiança do empresário e quanto mais acima de 50 pontos, maior e mais disseminada é a confiança. Valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança do empresário e quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais dissemi