Pular para o conteúdo principal

A nova realidade de grande parte das empresas


Os aplicativos e as redes sociais passaram a ter um papel ainda mais importante nos últimos três meses. Em junho, o Boa Vista realizou uma pesquisa com 1260 empresários dos setores da indústria, comércio e serviços, e divulgou o resultado recentemente, onde, 83% afirmaram que estão utilizando essas ferramentas para incremento nas vendas.

Desde o advento da crise, 45% das empresas procuraram se adaptar à nova realidade e 69% afirmam que as ações tomadas serão permanentes no futuro. Entre as iniciativas implantadas diante do atual cenário incluem-se as vendas online e o delivery. No setor da indústria, bem como em empresas de médio e grande porte, destaca-se o home office como ação de “adaptação e sobrevivência”, e consequente redução de custos.

Outro dado importante é que 47% dos empresários procuraram por novas tecnologias que trouxessem mais clientes, mas ao mesmo tempo 62% continuam em busca de soluções para reduzir a inadimplência. Já no que se refere a oportunidades geradas durante a crise, apenas 16% das empresas afirmam ter obtido alguma vantagem para os negócios.

Um ponto importante da pesquisa é que 85% dos consultados anseiam por linhas de créditos menos burocráticas. Aqui segue um ponto de vista da Global: a assessoria que conseguir enxergar os problemas, a dificuldade, de cada empresa nesse aspecto, poderá apresentar linhas de crédito mais estruturadas tanto para o fortalecimento do caixa como para as novas realizações de projetos que virão. O atendimento bancário tradicional, as "linhas de prateleira" oferecidas por essas instituições não serão mais aceitas pelos clientes, reforçando ainda mais o trabalho de uma assessoria especializada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Planejamento, digitalização e atendimento: o futuro da Indústria em 2021

De acordo com uma pesquisa realizada pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), organização profissional técnica dedicada ao avanço da tecnologia, 19% dos respondentes acreditam que a Manufatura será um dos segmentos mais impactados pela tecnologia em 2021. O estudo também mostrou que 55% dos entrevistados aceleraram a adoção da computação em nuvem durante a pandemia, 52% adotaram o 5G e 51% tiveram projetos de  Inteligência Artificial   e Machine Learning acelerados. Ainda que a indústria seja um setor muito conservador, esses dados comprovam o impacto da pandemia na digitalização do setor. O ano de 2020 foi um marco e trouxe grandes aprendizados para a indústria como um todo, pois o setor passa a enxergar que o caminho para a  Indústria 4.0  começa com a transformação digital, e que pranchetas e planilhas não combinam mais com a fábrica do futuro. E muitos desses aprendizados se devem ao home office. Com grande parte do time trabalhando à distância, os gestores

Indústria brasileira defende transição gradual para a economia circular

A indústria brasileira defende uma transição gradual para a economia circular, modelo que associa desenvolvimento econômico ao melhor uso de recursos naturais. Esse foi o ponto central das propostas que a  Confederação Nacional da Indústria (CNI)  levou para as discussões na semana passada do comitê da norma de economia circular da Organização Internacional de Normalização ( ISO , na sigla em inglês), formado por 70 países. A previsão é que a norma técnica entre em vigor a partir de 2023. A indústria brasileira quer que práticas como recuperação energética de resíduos e eliminação de desperdícios nos processos produtivos sejam considerados na norma internacional para o processo de transição para a economia circular. “Temos de considerar os diferentes estágios de maturidade de países nos critérios estabelecidos na norma internacional de economia circular”, afirma o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo. De acordo com o presidente da Associaç

Apoio do BNDES a empresas alcança R$ 154 bilhões em 2020

    O apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às empresas brasileiras no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus alcançou R$ 154 bilhões no ano passado. Os recursos beneficiaram cerca de 390 mil empresas, que respondem pela geração de mais de 9,5 milhões de empregos. A informação foi divulgada hoje (5) pela instituição. As primeiras medidas foram tomadas em março de 2020. Na liberação dos valores, o BNDES deu prioridade a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) e micro empreendedores individuais (MEIs), que correspondem a 99,6% do total de beneficiários apoiados. Segundo a instituição, o principal destaque foi o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) que, desde seu lançamento, no dia 30 de junho, garantiu R$ 92,1 bilhões a 114,5 mil empresas, dos quais R$ 82,3 bilhões destinados às pequenas e médias. Ao todo, 47 agentes financeiros estão habilitados a contratar empréstimos com a garantia do Tesouro Nacional por meio do Fundo Garantidor d