Pular para o conteúdo principal

Desempenho das pequenas indústrias bate recorde no terceiro trimestre



Segundo pesquisa divulgada hoje (11) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o índice de desempenho da pequena indústria encerrou o terceiro trimestre no melhor nível desde a criação, em 2012. O indicador fechou o trimestre passado em 52,3 pontos, com alta expressiva em relação aos 41,3 pontos registrados no fim de julho.

O índice de desempenho serve como aproximação para medir a produção das pequenas indústrias. Em abril, no mês seguinte ao início da pandemia de covid-19, o indicador tinha chegado ao nível mais baixo da série histórica, atingindo 27,1 pontos.

A pesquisa também constatou melhora na contabilidade das indústrias de menor porte, depois de um início de ano com impacto da crise gerada pelo novo coronavírus. O índice de situação financeira alcançou 41,9 pontos no terceiro trimestre, alta de 8,7 pontos em relação ao fim do segundo trimestre. O indicador está no melhor nível desde o último trimestre de 2013.

 

A pesquisa mediu também os problemas enfrentados pela pequena indústria. O dólar elevado refletiu em maiores preços no atacado. Os empresários também reclamaram da escassez de várias matérias-primas.

 

A falta ou o alto custo de insumos foi citada como a principal preocupação no terceiro trimestre por 60,1% das indústrias de transformação e por 40,5% das indústrias ligadas à construção. Nas indústrias extrativas, a maior dificuldade relatada foi a falta ou o alto custo da energia, por 33,3% dos empresários do setor. No segundo trimestre, a alta carga tributária era considerada o maior problema em todos os segmentos.

Por fim, observa-se que o otimismo se mantém entre os empresários da pequena indústria em relação a economia.

Fonte: CNI - Confederação Nacional da Indústria.


 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lei 14.020 e Decreto 10.422 e suas inovações

Com a conversão da MP 936 para a Lei 14.020/20, vieram ainda mais perguntas, mas na prática não mudou muita coisa.   A Lei instituiu a criação do PEMER – Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, possibilitando aos empregadores, realizar acordos de redução proporcional de jornada de trabalho e de salários e de suspensão de contratos de trabalho em razão da pandemia.   Com a conversão, também foram estabelecidas regras para o pagamento do Benefício, trazendo ainda novas possibilidade, como prazo maior para adoção das medidas e aplicação para os aposentados.   Os acordos tanto individuais, quanto coletivos, firmados durante a vigência da MP 936, permanecem seguindo as regras da MP, mantendo sua validade.   A novidade da Lei 14.020 quanto aos acordos celebrados é o caráter interpretativo. Se após a pactuação de acordo individual, houver a celebração de convenção ou acordo coletivo de trabalho com cláusulas conflitantes com as do acordo individual, deverão ser observadas al

Home office e horário flexível viram trunfos para atrair profissionais

Na hora de escolher um novo emprego, é claro que o salário importa. Mas, no planejamento da carreira dos sonhos, profissionais olham além dos números. Ao lado da remuneração, na lista de desejos aparecem benefícios como trabalho flexível e possibilidade de home office, ambiente saudável, propósito da empresa, compromisso socioambiental e com a diversidade, além de valorização da equipe e possibilidade clara de desenvolvimento. Uma pesquisa feita pela Revelo, startup de recrutamento, a pedido do Estadão, perguntou a 378 profissionais o que faz uma empresa ser considerada dos sonhos. Entre as respostas – cada um podia escolher até duas opções -, 69% apontaram o horário flexível e o home office; 36% disseram olhar para salário acima da média do mercado; 36%, o compromisso com diversidade, sustentabilidade e outros propósitos; 18%, a participação nos lucros; e 15%, os bônus por performance. Apesar da crise na economia e no mercado de trabalho, as empresas buscam oferecer benefícios ext