Pular para o conteúdo principal

Indústria renova expansão recorde em outubro com alta histórica de empregos, diz PMI

A expansão do setor industrial brasileiro ganhou força em outubro e renovou a máxima recorde diante do aumento da produção e de alta histórica na criação de empregos, segundo a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada nesta terça-feira.

O PMI da indústria brasileira alcançou a marca inédita na pesquisa, iniciada em 2006, de 66,7 em outubro, ante recorde anterior de 64,9 em setembro, informou o IHS Markit, com todos os três subsetores monitorados registrando melhora das condições operacionais, liderada pelos bens de produção. Leitura acima de 50 indica expansão da atividade.

“É encorajador ver os participantes da pesquisa PMI para a produção brasileira relatando uma melhora nas condições operacionais em outubro”, afirmou a diretora econômica do IHS Markit, Pollyanna De Lima. 

“As taxas de expansão mensais para a produção, novos pedidos, exportações e empregos atingiram níveis recordes ou quase, indicando que o setor continuou a se recuperar das contrações historicamente severas acarretadas pelo surto da Covid-19 no início deste ano”, completou.


O mês de outubro foi marcado por crescimento no volume de novos negócios. Embora a taxa de expansão tenha enfraquecido frente a setembro, ainda foi a terceira mais forte na história da pesquisa.

As empresas indicaram melhores condições de demanda, reabertura de alguns negócios e esforços de reabastecimento dos clientes.

A demanda internacional por produtos brasileiros também aumentou, e o índice de novos pedidos para exportação alcançou a máxima da série histórica, com indicações de que o real mais fraco propiciou vantagem competitiva sobre outros fabricantes.

Diante desse cenário, o volume de produção aumentou no segundo ritmo mais forte da história, atrás somente de agosto, de acordo com o IHS Markit.

Com a forte demanda, planos de expansão da capacidade e reposição de funcionários dispensados no auge do surto da Covid-19, as empresas industriais contrataram trabalhadores extras em outubro. O índice de criação de empregos foi o mais elevado desde o início da coleta de dados, no início de 2006.

“O crescimento do nível de empregos, em especial, indica um futuro melhor para a macroeconomia e pode resultar em tendências aprimoradas de consumo nos próximos meses”, destacou De Lima.

As empresas relataram ainda dificuldades de aquisição de uma série de insumos, incluindo produtos químicos, metais, embalagens, papel, plásticos e produtos têxteis.

Isso e a depreciação do real teriam provocado novo aumento nos custos de insumos, com a taxa de inflação atingindo novo recorde de alta. Assim, o índice de preço de bens finais também subiu a um ritmo recorde.

Outubro também registrou otimismo em relação à produção nos próximos 12 meses, com investimento de capital, expansão para novos mercados e lançamentos de novos produtos entre as razões para o sentimento positivo.

Fonte: Money Times

           


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agronegócio impulsionou a balança comercial brasileira em 2020

A balança comercial brasileira fechou o ano de 2020 com saldo positivo de US$ 50,9 bilhões, com destaque para o agronegócio, que bateu recorde com saldo final de US$ 87,7 bilhões. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quarta-feira (31), uma análise com os principais fatores que contribuíram para que o Brasil se mantivesse como um dos principais fornecedores de commodities agropecuárias no mercado mundial no ano passado, com destaque para a soja e as carnes (bovina, suína e de frango), além de tendências para 2021. A desvalorização do real frente ao dólar, a guerra comercial entre Estados Unidos e China, a quebra de safra de países concorrentes e condições climáticas favoráveis, contribuíram para o Brasil seguir na liderança do setor. A China responde por 33,7% das exportações totais do setor agropecuário brasileiro em 2020 e também é o maior consumidor mundial de soja. Ana Cecília Kreter, pesquisadora associada do Ipea e uma das autoras do estudo, afirma que

Faturamento da indústria cresce 8,7% em janeiro, diz CNI

A atividade industrial brasileira fechou janeiro de 2021 em um nível mais alto do que o registrado em janeiro de 2020, segundo os Indicadores Industriais divulgados hoje (4) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento destaca a alta de 8,7% no faturamento do setor, e a alta de 6,7% nas horas trabalhadas na produção. A capacidade instalada registrada em janeiro de 2021 ficou em 79% – número que é 2,2 pontos percentuais acima do que foi registrado no mesmo mês de 2020. De acordo com a CNI, “todos os índices de janeiro deste ano mostram alta na comparação com o mesmo mês de 2020”. O indicador emprego industrial teve um aumento de 0,1% tanto na comparação com janeiro de 2020 como dezembro de 2020. Já a massa salarial cresceu 0,5% em janeiro, na comparação com janeiro do ano passado, e de 5% na comparação com dezembro. O rendimento médio dos trabalhadores teve um aumento de 0,4% na comparação com janeiro de 2020, e de 5,6% frente a dezembro do mesmo ano. “A ativi

LGPD: governo e iniciativa privada defendem tratamento diferenciado para PME.

  Em meio ao desafio de o país regulamentar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o setor produtivo e o governo federal têm trabalhado juntos para garantir que as micro e pequenas empresas (MPEs) não percam competitividade com exigências desproporcionais. Em entrevista à  Agência CNI de Notícias , a subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato na Ministério da Economia, Antônia Tallarida Martins, reforça também a urgência de a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) criar regramento transitório que dispense as MPEs de certas obrigações estabelecidas na LGPD.     Para a subsecretária, as MPEs devem ser liberadas de indicarem um controlador de dados, da necessidade de elaboração de um relatório de impacto e da necessidade de registrar as operações de tratamento de dados. Estudo elaborado pela  Confederação Nacional da Indústria (CNI)  reforça que determinadas exigências, se aplicadas às MPEs, podem inviabilizar o negócio d