Pular para o conteúdo principal

Produção industrial sobe 2,6% em setembro, diz IBGE



A produção industrial do Brasil retomou os patamares pré-pandemia e eliminou todas as perdas provocadas pelo isolamento social. É o que mostra a Pesquisa Industrial Mensal (PMI), divulgada na manhã desta quarta-feira (04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, o setor teve alta de 2,6% em setembro, quando comparado a agosto. Essa é o quinto mês de crescimento seguido e veio acima da expectativa de economistas ouvidos pela Reuters, que estimavam alta de 2,2%.

Já na comparação com setembro do no passado, a indústria teve um aumento de 3,4%, interrompendo uma sequência de 10 quedas consecutivas nessa base de análise. 

Com isso, o setor industrial recuou 7,2% no acumulado do ano. Já nos últimos 12 meses, a produção da indústria caiu 5,5%, indicando desaceleração na trajetória de perdas iniciada em março.

“Com o resultado de setembro, em conjunto com os avanços dos quatro meses anteriores, a produção industrial superou em 0,2% o patamar pré-pandemia, em fevereiro. Passados os meses de março e abril e com a flexibilização das medidas de distanciamento social, o setor industrial foi recuperando, mês a mês, aquele patamar”, diz o gerente da pesquisa, André Macedo.

A alta na produção industrial foi evidenciada em 22 dos 26 setores pesquisados pelo IBGE. Este também é o quinto mês seguido em que os bens de consumo duráveis tiveram alta expressiva – puxados, principalmente, pela indústria automobilística. 

“Veículos automotores, reboques e carrocerias avançaram 14,1%. Vale destacar que essa atividade acumulou expansão de 1.042,6% em cinco meses consecutivos de crescimento na produção, mas ainda assim se encontra 12,8% abaixo do patamar de fevereiro”, diz Macedo.

Além deles, máquinas e equipamentos, confecção de artigos de vestuário e artios para viagem e calçados também apresentaram altas pelo quinto mês seguido. Os produtos alimentícios, minerais não-metálicos e metalurgia tiveram alta e ajudaram a puxar a retomada do setor. 

Em contrapartida, apenas quatro atividades apresentaram redução na produção de setembro, sendo elas as indústrias extrativas, cujo impacto negativo interrompeu três resultados positivos consecutivos.  As demais quedas foram observadas em impressão e reprodução de gravações, produtos diversos e outros produtos químicos.

“A indústria extrativa teve um recuo em setembro, mas vinha de três meses de crescimento na produção. Ou seja, ela interrompe o comportamento positivo, mas não elimina o saldo positivo dos últimos meses. Mesmo considerando a queda em setembro, essa atividade está 5,7% acima do patamar anterior à pandemia”, afirma o gerente da pesquisa.

Fonte: CNN / IBGE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agronegócio impulsionou a balança comercial brasileira em 2020

A balança comercial brasileira fechou o ano de 2020 com saldo positivo de US$ 50,9 bilhões, com destaque para o agronegócio, que bateu recorde com saldo final de US$ 87,7 bilhões. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quarta-feira (31), uma análise com os principais fatores que contribuíram para que o Brasil se mantivesse como um dos principais fornecedores de commodities agropecuárias no mercado mundial no ano passado, com destaque para a soja e as carnes (bovina, suína e de frango), além de tendências para 2021. A desvalorização do real frente ao dólar, a guerra comercial entre Estados Unidos e China, a quebra de safra de países concorrentes e condições climáticas favoráveis, contribuíram para o Brasil seguir na liderança do setor. A China responde por 33,7% das exportações totais do setor agropecuário brasileiro em 2020 e também é o maior consumidor mundial de soja. Ana Cecília Kreter, pesquisadora associada do Ipea e uma das autoras do estudo, afirma que

LGPD: governo e iniciativa privada defendem tratamento diferenciado para PME.

  Em meio ao desafio de o país regulamentar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o setor produtivo e o governo federal têm trabalhado juntos para garantir que as micro e pequenas empresas (MPEs) não percam competitividade com exigências desproporcionais. Em entrevista à  Agência CNI de Notícias , a subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato na Ministério da Economia, Antônia Tallarida Martins, reforça também a urgência de a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) criar regramento transitório que dispense as MPEs de certas obrigações estabelecidas na LGPD.     Para a subsecretária, as MPEs devem ser liberadas de indicarem um controlador de dados, da necessidade de elaboração de um relatório de impacto e da necessidade de registrar as operações de tratamento de dados. Estudo elaborado pela  Confederação Nacional da Indústria (CNI)  reforça que determinadas exigências, se aplicadas às MPEs, podem inviabilizar o negócio d

Faturamento da indústria cresce 8,7% em janeiro, diz CNI

A atividade industrial brasileira fechou janeiro de 2021 em um nível mais alto do que o registrado em janeiro de 2020, segundo os Indicadores Industriais divulgados hoje (4) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento destaca a alta de 8,7% no faturamento do setor, e a alta de 6,7% nas horas trabalhadas na produção. A capacidade instalada registrada em janeiro de 2021 ficou em 79% – número que é 2,2 pontos percentuais acima do que foi registrado no mesmo mês de 2020. De acordo com a CNI, “todos os índices de janeiro deste ano mostram alta na comparação com o mesmo mês de 2020”. O indicador emprego industrial teve um aumento de 0,1% tanto na comparação com janeiro de 2020 como dezembro de 2020. Já a massa salarial cresceu 0,5% em janeiro, na comparação com janeiro do ano passado, e de 5% na comparação com dezembro. O rendimento médio dos trabalhadores teve um aumento de 0,4% na comparação com janeiro de 2020, e de 5,6% frente a dezembro do mesmo ano. “A ativi