Pular para o conteúdo principal

Produção industrial sobe 2,6% em setembro, diz IBGE



A produção industrial do Brasil retomou os patamares pré-pandemia e eliminou todas as perdas provocadas pelo isolamento social. É o que mostra a Pesquisa Industrial Mensal (PMI), divulgada na manhã desta quarta-feira (04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, o setor teve alta de 2,6% em setembro, quando comparado a agosto. Essa é o quinto mês de crescimento seguido e veio acima da expectativa de economistas ouvidos pela Reuters, que estimavam alta de 2,2%.

Já na comparação com setembro do no passado, a indústria teve um aumento de 3,4%, interrompendo uma sequência de 10 quedas consecutivas nessa base de análise. 

Com isso, o setor industrial recuou 7,2% no acumulado do ano. Já nos últimos 12 meses, a produção da indústria caiu 5,5%, indicando desaceleração na trajetória de perdas iniciada em março.

“Com o resultado de setembro, em conjunto com os avanços dos quatro meses anteriores, a produção industrial superou em 0,2% o patamar pré-pandemia, em fevereiro. Passados os meses de março e abril e com a flexibilização das medidas de distanciamento social, o setor industrial foi recuperando, mês a mês, aquele patamar”, diz o gerente da pesquisa, André Macedo.

A alta na produção industrial foi evidenciada em 22 dos 26 setores pesquisados pelo IBGE. Este também é o quinto mês seguido em que os bens de consumo duráveis tiveram alta expressiva – puxados, principalmente, pela indústria automobilística. 

“Veículos automotores, reboques e carrocerias avançaram 14,1%. Vale destacar que essa atividade acumulou expansão de 1.042,6% em cinco meses consecutivos de crescimento na produção, mas ainda assim se encontra 12,8% abaixo do patamar de fevereiro”, diz Macedo.

Além deles, máquinas e equipamentos, confecção de artigos de vestuário e artios para viagem e calçados também apresentaram altas pelo quinto mês seguido. Os produtos alimentícios, minerais não-metálicos e metalurgia tiveram alta e ajudaram a puxar a retomada do setor. 

Em contrapartida, apenas quatro atividades apresentaram redução na produção de setembro, sendo elas as indústrias extrativas, cujo impacto negativo interrompeu três resultados positivos consecutivos.  As demais quedas foram observadas em impressão e reprodução de gravações, produtos diversos e outros produtos químicos.

“A indústria extrativa teve um recuo em setembro, mas vinha de três meses de crescimento na produção. Ou seja, ela interrompe o comportamento positivo, mas não elimina o saldo positivo dos últimos meses. Mesmo considerando a queda em setembro, essa atividade está 5,7% acima do patamar anterior à pandemia”, afirma o gerente da pesquisa.

Fonte: CNN / IBGE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Planejamento, digitalização e atendimento: o futuro da Indústria em 2021

De acordo com uma pesquisa realizada pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), organização profissional técnica dedicada ao avanço da tecnologia, 19% dos respondentes acreditam que a Manufatura será um dos segmentos mais impactados pela tecnologia em 2021. O estudo também mostrou que 55% dos entrevistados aceleraram a adoção da computação em nuvem durante a pandemia, 52% adotaram o 5G e 51% tiveram projetos de  Inteligência Artificial   e Machine Learning acelerados. Ainda que a indústria seja um setor muito conservador, esses dados comprovam o impacto da pandemia na digitalização do setor. O ano de 2020 foi um marco e trouxe grandes aprendizados para a indústria como um todo, pois o setor passa a enxergar que o caminho para a  Indústria 4.0  começa com a transformação digital, e que pranchetas e planilhas não combinam mais com a fábrica do futuro. E muitos desses aprendizados se devem ao home office. Com grande parte do time trabalhando à distância, os gestores

Apoio do BNDES a empresas alcança R$ 154 bilhões em 2020

    O apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às empresas brasileiras no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus alcançou R$ 154 bilhões no ano passado. Os recursos beneficiaram cerca de 390 mil empresas, que respondem pela geração de mais de 9,5 milhões de empregos. A informação foi divulgada hoje (5) pela instituição. As primeiras medidas foram tomadas em março de 2020. Na liberação dos valores, o BNDES deu prioridade a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) e micro empreendedores individuais (MEIs), que correspondem a 99,6% do total de beneficiários apoiados. Segundo a instituição, o principal destaque foi o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) que, desde seu lançamento, no dia 30 de junho, garantiu R$ 92,1 bilhões a 114,5 mil empresas, dos quais R$ 82,3 bilhões destinados às pequenas e médias. Ao todo, 47 agentes financeiros estão habilitados a contratar empréstimos com a garantia do Tesouro Nacional por meio do Fundo Garantidor d

Indústria brasileira defende transição gradual para a economia circular

A indústria brasileira defende uma transição gradual para a economia circular, modelo que associa desenvolvimento econômico ao melhor uso de recursos naturais. Esse foi o ponto central das propostas que a  Confederação Nacional da Indústria (CNI)  levou para as discussões na semana passada do comitê da norma de economia circular da Organização Internacional de Normalização ( ISO , na sigla em inglês), formado por 70 países. A previsão é que a norma técnica entre em vigor a partir de 2023. A indústria brasileira quer que práticas como recuperação energética de resíduos e eliminação de desperdícios nos processos produtivos sejam considerados na norma internacional para o processo de transição para a economia circular. “Temos de considerar os diferentes estágios de maturidade de países nos critérios estabelecidos na norma internacional de economia circular”, afirma o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo. De acordo com o presidente da Associaç