Pular para o conteúdo principal

Setor de Consórcios responde por 7,3% do PIB


Dados recentes do Banco Central do Brasil revelaram que a participação dos consórcios no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 7,3%.

No fechamento do primeiro semestre deste ano, a participação do Sistema de Consórcios foi de 7,3% sobre o PIB do 1º semestre de 2020, que foi de R$ 3,456 trilhões, montante influenciado diretamente pela Covid-19.

 

Patrimônio Líquido Ajustado (PLA)

Paralelamente, o Sistema de Consórcios também ficou mais sólido com a evolução de 15,3% no seu Patrimônio Líquido Ajustado (PLA). Ele evoluiu de R$ 15,07 bilhões, em junho de 2019, para R$ 17,38 bilhões, em junho de 2020.

Em relação aos últimos três anos, a alta foi de 65,8%, quando comparado aos R$ 10,48 bilhões do fechamento do primeiro semestre de 2017. 



Ativos Administrados

Ao avançar de R$ 217 bilhões (jun/2019) para R$ 254 bilhões (jun/2020), os ativos administrados pelos grupos de consórcios em andamento (ou seja, a soma dos recebíveis e das disponibilidades e aplicações financeiras) apresentaram crescimento de 17%, na comparação com o primeiro semestre de 2019.

Na análise dos últimos três anos, verifica-se uma evolução de 33,7%, tendo R$ 190 bilhões, de junho de 2017, como referencial.



Tributos

Apesar da pandemia vivida desde março, as atividades das administradoras de consórcios no período mantiveram estabilidade na arrecadação de tributos e das contribuições sociais. Elas somaram R$ 1,58 bilhão (jun-2020), contra R$ 1,57 bilhão (jun-2019).

 

Fonte: ABAC / BACEN


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Produção de veículos pesados deve crescer 23% em 2021, diz Anfavea

As fabricantes de caminhões e ônibus instaladas no Brasil deverão produzir 135 mil unidades de veículos pesados em 2021. Essa é a projeção da  Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea)   divulgada na sexta-feira (8). Esse volume é 23% maior do que as 109 mil unidades fabricadas em 2020. A maior parte da produção (cerca de 116 mil) será de caminhões. Vice-Presidente da Anfavea, Marcos Saltini disse ao   Estradão  que a produção de caminhões aumentar principalmente por causa do mercado interno. Segundo ele, graças à manutenção do crescimento de setores como o agronegócio, e-commerce e construção civil. Ou seja os mesmos que puxaram a demanda em 2020. “Esse perfil não mudou, mas o que vamos ver no começo do ano é como vão ficar as restrições de locomoção, no comércio e se haverá fechamento dos  Detrans . Isso tudo pode impactar nas vendas e, consequentemente a produção”, diz. No entanto, alguns desafios precisam ser vencidos para que essa previsão se consolide.

Benefício da energia solar para indústrias

Todos aqueles que investem em energia limpa colhem os frutos de seus benefícios, em especial o setor industrial, onde os resultados positivos são ainda maiores. A eficiência da energia solar nas indústrias é capaz de alavancar os resultados, estimular a produtividade e assegurar a sobrevivência da empresa num ambiente mais sustentável. Segue abaixo alguns benefícios da energia solar para seu negócio: 1. Sustentabilidade que eleva o patamar industrial O modelo industrial nos últimos anos deixou de visar apenas seu crescimento sem se importar com os impactos que sua atuação traz ao meio ambiente. O sistema de energia solar é uma das saídas mais viáveis para diminuir esses impactos negativos. Isso porque é um sistema que favorece a sustentabilidade em sua totalidade, o que promove e eleva a marca no mercado, podendo facilmente se tornar um diferencial competitivo  em relação aos concorrentes. Abaixo segue um exemplo do impacto no meio ambiente num sistema de energia solar para uma indústr

Todos os 30 setores da indústria estão confiantes, aponta CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) - Resultados setoriais registrou, em junho, o segundo mês consecutivo de confiança disseminada entre toda a indústria. O indicador subiu em 29 dos 30 setores analisados pela  Confederação Nacional da Indústria (CNI) .  “Essa consolidação de uma confiança mais alta, disseminada por toda a indústria, é importante, pois aponta para um segundo semestre positivo. Empresários confiantes tendem a produzir, contratar e investir mais”, explica o gerente de Análise Econômica, Marcelo Azevedo. A confiança caiu em apenas um deles: Outros equipamentos de transporte (-1,1 ponto). Mesmo assim, o índice ficou em 57,6 pontos, bem acima da linha divisória de 50 pontos. O ICEI varia de 0 a 100. Valores acima de 50 pontos indicam confiança do empresário e quanto mais acima de 50 pontos, maior e mais disseminada é a confiança. Valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança do empresário e quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais dissemi