Pular para o conteúdo principal

Agronegócio impulsionou a balança comercial brasileira em 2020


A balança comercial brasileira fechou o ano de 2020 com saldo positivo de US$ 50,9 bilhões, com destaque para o agronegócio, que bateu recorde com saldo final de US$ 87,7 bilhões. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quarta-feira (31), uma análise com os principais fatores que contribuíram para que o Brasil se mantivesse como um dos principais fornecedores de commodities agropecuárias no mercado mundial no ano passado, com destaque para a soja e as carnes (bovina, suína e de frango), além de tendências para 2021. A desvalorização do real frente ao dólar, a guerra comercial entre Estados Unidos e China, a quebra de safra de países concorrentes e condições climáticas favoráveis, contribuíram para o Brasil seguir na liderança do setor.

A China responde por 33,7% das exportações totais do setor agropecuário brasileiro em 2020 e também é o maior consumidor mundial de soja. Ana Cecília Kreter, pesquisadora associada do Ipea e uma das autoras do estudo, afirma que o fato da China ser o principal importador de produtos brasileiros vai além da guerra comercial com os Estados Unidos. “Apesar do aumento da produção, a demanda chinesa de várias commodities é acima da oferta, o que coloca o Brasil numa situação favorável e com boa perspectiva também em 2021”.

A soja é a principal cultura do Brasil, que se tornou o principal produtor mundial na safra 2019-2020, com 37,4% da produção total, seguido pelos Estados Unidos (28,4%) e pela Argentina (14,5%). De todos os produtos do agronegócio exportados, a soja responde sozinha por 34,2% do total comercializado em valor, que corresponde a US$ 34,5 bilhões. A estimativa da Conab é de novo recorde para a safra 2020-2021: 135 milhões de toneladas, reforçando o protagonismo do Brasil no mercado internacional.

As carnes estão em segundo lugar entre os produtos do agronegócio mais exportados em 2020: US$ 17,2 milhões, com destaque para a bovina e a suína. O aumento da demanda por parte dos países asiáticos levou ao recorde das exportações. Só a China representou 43,2% e 50,8% das exportações de carne bovina e suína ano passado, respectivamente. Em decorrência da Peste Suína Africana (PSA), houve descarte de animas no país aumentando a demanda chinesa por carne suína no mercado internacional.

Dos dez principais produtos de exportação do setor, apenas as carnes bovina, a suína e o café tiveram variação positiva no preço médio em dólar em 2020: 3,0%, 4,0% e 0,8%, respectivamente. O café também teve um desempenho positivo no ano passado, por conta das boas condições climáticas e da bienalidade positiva do grão: alta de 15,6% em valor e 30,0% em quantidade frente a 2019.

Os pesquisadores apontaram uma queda de 5,2% no valor das importações do agronegócio em 2020, na comparação com 2019, o que contribui para a elevação do saldo da balança comercial em 5,6%, passando de US$ 83,0 bilhões para US$ 87,7 bilhões. O trigo, principal produto importação, teve queda de 9,9% em valor e 6,3% em quantidade no ano passado, seguido pelo arroz, que teve comportamento atípico em 2020, quando o Brasil aumentou as exportações do grão em 36,8%.Fonte: IPEA

Íntegra do documento: https://bit.ly/3cNEtay

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Produção de veículos pesados deve crescer 23% em 2021, diz Anfavea

As fabricantes de caminhões e ônibus instaladas no Brasil deverão produzir 135 mil unidades de veículos pesados em 2021. Essa é a projeção da  Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea)   divulgada na sexta-feira (8). Esse volume é 23% maior do que as 109 mil unidades fabricadas em 2020. A maior parte da produção (cerca de 116 mil) será de caminhões. Vice-Presidente da Anfavea, Marcos Saltini disse ao   Estradão  que a produção de caminhões aumentar principalmente por causa do mercado interno. Segundo ele, graças à manutenção do crescimento de setores como o agronegócio, e-commerce e construção civil. Ou seja os mesmos que puxaram a demanda em 2020. “Esse perfil não mudou, mas o que vamos ver no começo do ano é como vão ficar as restrições de locomoção, no comércio e se haverá fechamento dos  Detrans . Isso tudo pode impactar nas vendas e, consequentemente a produção”, diz. No entanto, alguns desafios precisam ser vencidos para que essa previsão se consolide.

BNDES quer ampliar o crédito para micro e pequenas empresas.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, disse que as pequenas, micro e médias empresas representam o foco do banco durante a pandemia do novo coronavirus, porém esse crédito ainda não está chegando a elas.   Numa comparação com grandes empresas, Montezano reconheceu que o aumento do crédito oferecido a micro, pequenas e médias empresas foi modesto.   Ocorreu uma demanda de crédito por empresas que não tinham canais de crédito ou nunca precisaram de linhas de crédito.   Entre as ações do governo, o presidente do BNDES disse que o Tesouro está assumindo o risco das operações. Nesse sentido, destinou R$ 16 bilhões para o financiamento para custeio e investimentos dos médios produtores rurais em atividades agropecuárias (Pronamp), R$ 20 bilhões para o Programa Emergencial de Acesso a Crédito e R$ 34 bilhões foram para o Programa Emergencial de Suporte a Empregos, de manutenção de emprego.   Nós da Global, nesses 19 anos de atuação en

Benefício da energia solar para indústrias

Todos aqueles que investem em energia limpa colhem os frutos de seus benefícios, em especial o setor industrial, onde os resultados positivos são ainda maiores. A eficiência da energia solar nas indústrias é capaz de alavancar os resultados, estimular a produtividade e assegurar a sobrevivência da empresa num ambiente mais sustentável. Segue abaixo alguns benefícios da energia solar para seu negócio: 1. Sustentabilidade que eleva o patamar industrial O modelo industrial nos últimos anos deixou de visar apenas seu crescimento sem se importar com os impactos que sua atuação traz ao meio ambiente. O sistema de energia solar é uma das saídas mais viáveis para diminuir esses impactos negativos. Isso porque é um sistema que favorece a sustentabilidade em sua totalidade, o que promove e eleva a marca no mercado, podendo facilmente se tornar um diferencial competitivo  em relação aos concorrentes. Abaixo segue um exemplo do impacto no meio ambiente num sistema de energia solar para uma indústr